Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Cerca de mil pessoas, na estimativa dos organizadores, participaram da terceira edição do Viva Floripa, no dia do Nascituro (8 de outubro), em Florianópolis.

A concentração às nove da manhã, foi em frente da Catedral Metropolitana. Pelas ruas do centro, os manifestantes seguiram até a Beira Mar Norte, onde encerraram o ato.

Ao longo do trajeto, Sara Winter, que se descreve como ex-feminista e ex-esquerdista, relatou a “doutrinação” contra a vida que recebeu do Femen, movimento radical ucraniano, que não é considerado legítimo pelas feministas brasileiras. “Me fizeram acreditar que todo homem é um estuprador em potencial”, revelou.

Hoje militante do PSC, partido do deputado Jair Bolsonaro, a jovem de 24 anos ponderou que o aborto é uma ferida que nunca se cura, não importa o quanto se confesse e peça perdão. “Sonho com ele saindo de mim e eu tento colocá-lo para dentro de novo”.  

Padre Hélio Luciano, responsável pela Comissão Vida e Família da Arquidiocese, analisou que o ato mostra que a luta pela vida também pode ser alegre. “Nunca imaginei que estaria aqui em cima (do trio elétrico)”, brincou. 

Para ele, todos que defendem a vida precisam agir com acolhimento e fiscalizar as iniciativas legislativas que visam descriminalização o aborto. “Começa assim e terminam liberando tudo”, previu. 

Para dom Wilson Tadeu Jönck, arcebispo de Florianópolis, é preciso evidenciar a vida como valor central. Segundo ele, os fiéis devem agir preventivamente contra o aborto, propagando os valores do evangelho, não só com palavras, mas “com a nossa vida e com a nossa amizade”, para que todos saibam que matar um feto ou um embrião “é matar uma vida humana”.