Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

O anúncio do Papa Bento XVI de que renunciará ao seu ministério de 28 de fevereiro “devido à idade avançada”, surpreendeu ao presidente do Regional Sul 4 (Santa Catarina) da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Dom Wilson Tadeu Jönck.  Em uma entrevista a RBS TV ao meio dia, ele avaliou que a notícia “foi de repente e um grande impacto”.

Para Dom Wilson, que é arcebispo de Florianópolis, “mesmo no Vaticano não se sabia disso, então a notícia veio de surpresa”, declarou na entrevista.

— Não acreditei.  Achei que alguém estava plantando esta notícia, depois fui me certificar — contou.

O prelado explicou que até o dia 28 Bento XVI permanece como Papa. Tudo continua como está, “claro que com as especulações e a preparação par ao conclave (reunião secreta em que os Cardeais elegem o novo Papa)”.

— Quanto o Papa renunciar, aí o cardeal mais idoso vai convocar o conclave e também marcar a [sua] data — explicou.

Com relação ao período que antecede o anúncio do novo pontífice, Dom Wilson disse que será um período de grande expectativa “porque há uma incerteza, algo novo”.

— Diria aos fiéis que podem ficar tranquilos que a vida da Igreja continua — disse ao despedir-se.

Renúncia

Esta é a primeira vez cerca seiscentos anos que um papa renuncia ao cargo. O último fazer isso foi Gregório 12, em 1415. O padre Frederico Lombardi, porta-voz do Vaticano, disse que o papa não renuncia por “dificuldades no papado” e a decisão foi uma surpresa. Ele também garantiu que Bento XVI não teme uma cisão na igreja após sua renúncia.

Em seu discurso, o Papa disse que “no mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor quer do corpo quer do espírito; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado”.

De acordo com o Vaticano, depois que a sua renúncia se efetivar, o papa Bento 16 deve se mudar para a residência papal do Castelo Gandolfo.  Depois ele deve mudar-se para o mosteiro das freiras enclausuradas dentro do Vaticano, quando estiver reformado.