O Papa Francisco recebeu na manhã de quinta-feira, 27, no Vaticano, os participantes da Assembleia Plenária da Pontifícia Comissão para a América Latina (CAL). Em seu discurso, o pontífice afirmou que a CAL é chamada a encorajar todos com a simplicidade e a profundidade de quem confia mais no envio missionário e no serviço do que no mero ativismo.

“A CAL deve construir pontes de reconciliação, de inclusão, de fraternidade! Pontes que garantam que ‘caminhar juntos’ não seja uma mera expressão retórica, mas uma autêntica experiência pastoral!”, afirmou Francisco.

Em sua fala, Francisco se deteve em três perguntas que os participantes da plenária refletem nos dias de trabalho em Roma: que práticas promover com relação ao desenvolvimento na região “tocando a carne sofredora de Cristo nas pessoas”? Como evangelizar a esfera social, promovendo a fraternidade diante do fenômeno da polarização? Que serviço a CAL deve prestar às conferências episcopais, ao CELAM e aos dicastérios da Santa Sé?

Essas perguntas, prosseguiu o Papa, não se referem apenas a questões que a realidade atual exige que serem abordadas, mas também fazem parte da reforma sinodal que toda a Igreja deve adotar para fazer com que a verdadeira face de Jesus Cristo brilhe mais e melhor.

Promover a transformação

Na pauta das reflexões, o documento sobre a reforma da Cúria Romana, constituição Praedicate evangelium, foi citado pelo Papa como orientação para fazer da CAL uma “diaconia” que permita à Igreja na América Latina experimentar a atenção e o afeto pastoral do Sucessor de Pedro. Assim, a Comissão “é chamada a ser um sujeito ativo que promove a transformação necessária que todos nós precisamos, ou seja, ajudar com discrição, prudência e eficácia para garantir que vivamos a sinodalidade – a dimensão dinâmica da comunhão – para caminhar juntos na América Latina, movidos pelo Espírito do Senhor”.

Francisco mencionou as palavras discrição, prudência e eficácia para enfatizar que a CAL não é chamada a substituir nenhum ator na vida eclesial latino-americana. Mas, sim, a encorajar todos eles, com a simplicidade e a profundidade de quem confia mais no envio missionário e no serviço do que no mero ativismo.

Assim fazendo, a CAL deve promover com todos os seus interlocutores, tanto na Santa Sé como no CELAM, CEAMA, CLAR e todos os organismos eclesiais que servem direta ou indiretamente a Igreja na América Latina, um estilo sinodal de pensar, sentir e fazer.

Inspiração em São Juan Diego

Nesse aspecto, a CAL e a Igreja na América Latina podem encontrar uma profunda fonte de inspiração em São Juan Diego. Como sabemos, ele era um nativo extremamente modesto e simples. A Virgem não o escolheu por sua erudição, suas habilidades organizacionais ou suas relações com o poder. Pelo contrário, Santa Maria de Guadalupe se comove porque sabe que é pequeno.

Nessas cenas, podemos ver, com simplicidade e profundidade, a sinodalidade e a comunhão simultâneas. O fiel leigo proclama as boas novas, confiando fundamentalmente na dimensão eclesial e sobrenatural de sua missão, e não tanto em sua própria força. Essa é uma bela experiência de conversão sinodal!

O resultado desse exercício sinodal e comunitário não são apenas as rosas que aparecem na frente de todos, não apenas a imagem milagrosa impressa na tilma [manto] do santo, mas também o início de um processo de reconciliação fraterna entre povos inimigos. Um processo que nunca foi perfeito, mas que, sem dúvida, contribuiu para o nascimento de uma nova realidade na América Latina. Em outras palavras, a sinodalidade ad intra produz frutos de fraternidade ad extra.

Esse é o estilo inspirador que a CAL deve promover em toda a região da América Latina e, quando necessário, além de suas fronteiras. Inspirar e não impor. Inspirar, motivar e provocar a liberdade para que cada realidade eclesial e social discirna seu próprio caminho, seguindo também as moções do Espírito, em comunhão com a Igreja universal.

A CAL deve construir pontes de reconciliação, de inclusão, de fraternidade! Pontes que garantam que “caminhar juntos” não seja uma mera expressão retórica, mas uma autêntica experiência pastoral!

Por fim, Francisco recordou que estamos nos aproximando do Jubileu Ordinário do ano 2025. Depois de citar a bula Spes non confundit disse que está confiante de que todos os membros da CAL participarão ativamente, convidando o povo de Deus a peregrinar e a proclamar a mensagem de esperança que toda a região precisa urgentemente ouvir e redescobrir.

“Que Santa Maria de Guadalupe, ‘Mãe do verdadeiro e único Deus, aquele que é o autor da vida’, nos sustente e nos encoraje a perseverar em nosso esforço conjunto para tornar a Igreja uma comunidade cada vez mais no estilo de Jesus. E, por favor, não se esqueçam de orar por mim”.

Participações do Brasil

São membros brasileiros da Comissão para a América Latina os cardeais dom Sergio da Rocha, arcebispo de Salvador; dom Orani João Tempesta, arcebispo do Rio de Janeiro; e dom Paulo Cezar Costa, arcebispo de Brasília. Também o arcebispo de Porto Alegre (RS) e presidente da CNBB e do Conselho Episcopal Latino Americano (CELAM), dom Jaime Spengler, participa da assembleia. Outro brasileiro na comissão é o padre Alexandre Awi Mello, que atua como conselheiro da CAL.

O cardeal Orani João Tempesta, explicou em suas redes sociais que a Comissão para a América Latina (CAL) foi criada pelo Papa Paulo VI e tem como finalidade contribuir para o relacionamento das igrejas da América Latina, do CELAM e com a Santa Sé.

“Nesta Plenária estamos discutindo o documento de reforma da Cúria Romana, o Praedicate evangelium, avançando em como podemos trabalhar ainda mais com todas as dificuldades que existem na questão da evangelização, da missão e da pobreza na América Latina”, partilhou.

Com informações e fotos de Vatican News