Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Atividade percorreu as principais ruas da Cidade (Foto: Divulgação)

Na manhã deste sábado, 03, em frente à Catedral São José, aconteceu o início a caminhada pelo 17º Grito dos Excluídos em Criciúma, que teve como tema “Pela Vida grita a Terra, por direitos, todos nós!”. Movimentos e pastorais sociais percorreram as ruas do centro até chegar à Paróquia Santa Bárbara.

– Como cristãos temos o dever de gritar por aqueles que gritam e não são ouvidos -, disse o Coordenador Diocesano de Pastoral, padre Antônio Mendes.

O padre afirmou que os que não gritam em público, murguram escondidos e tem medo da própria fala.

– Precisamos estar no meio da discussão aonde é possível sermos ouvidos, tanto por aqueles que podem levar vida para a população, quanto no meio daqueles que precisam conquistar a vida. Estamos em nome da Igreja, em nome da nossa fé e em nome daqueles que gritam realmente pela justiça. Estamos aqui para gritar por aqueles que tem o grito sufocado pelo desespero, pela tristeza, pela angústia e pela dor -, enfatizou.

Temas como habitação, saúde, segurança e meio ambiente fizeram parte da caminhada, antecedida pela encenação de um grupo de jovens da Paróquia Santo Agostinho, de Rio Maina, que mostrava a sociedade de mãos atadas, libertas das amarras da injustiça e opressão.- Jesus disse: Eu vim para que todos tenham vida, e vida em abundância. Deus fez tudo isso para nós. Preparou-nos uma casa bonita, toda enfeitada. Nos chamou a viver como bons filhos, para querermos para os outros o mesmo que desejamos para nós, e como bons irmãos, para agirmos de acordo com o projeto do Pai. Infelizmente, pegamos outro caminho: nos sentimos poderosos e prepotentes. Matamos a vida, a saúde e cortamos nossa relação com o Pai, destruindo essa maravilha que deixou para todos nós. Não é uma realidade humana, mas desumana”, enfatizou o pároco da Paróquia São José, Pe. Valdemar Carminati, na Celebração da Palavra que findou a manifestação. “Quando o pequeno acredita em si e em sua força, vai crescendo. Assim também deve ser o nosso grito. Que o Espírito Santo nos ilumine para que nunca desanimemos nesta luta e nessa caminhada -, acrescentou padre Mendes.

Em todo Brasil, a manifestação do Grito dos Excluídos ocorre durante a Semana da Pátria, especialmente no dia 07 de setembro.

Paróquias da Comarca de Criciúma, representadas por sacerdotes e leigos das pastorais da Saúde, Social, Carcerária e Afro-Brasileira, além de professores e representantes dos Grupos de Famílias, acompanharam a população que clamava por direitos e vida digna.