Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Escola Liturgia Jovens

Atividades práticas fixaram conteúdo teórico. (Foto:Felipe da Silva/PJ)

A Escola de Liturgia para Jovens, realizada de 14 a 23 de Janeiro em Joaçaba, encerrou com avaliação positiva dos 44 alunos. A iniciativa teve por objetivo capacitar jovens para o serviço litúrgico da Igreja, além de propiciar a experiência de participação litúrgica como fonte de espiritualidade e de revigoramento da fé, conforme sugere o Concílio Vaticano II.

A liturgia foi experimentada através de uma metodologia participativa e vivencial. Entre os assuntos estudados estavam o Ofício Divino das Comunidades e da Juventude, Liturgia da Palavra, Música e o espaço na liturgia.

Dom Manoel João Francisco, bispo diocesano de Chapecó e referencial da Liturgia na CNBB Regional Sul 4, acompanhou toda a atividade e no final elogiou os jovens.

— Eu sinto esse grupo aqui muito empenhado, muito disposto. São representantes de diversas dioceses do Estado e penso que eles vão para suas dioceses, vão fermentar e, em breve, se Deus quiser, aqui no nosso Estado a liturgia vai tomar um vigor muito grande. A juventude é a esperança da Igreja, então precisamos investir nos jovens — declarou o prelado.

Esta edição foi um importante ponto de partida para avançar na formação litúrgica dos jovens, na opinião do secretário regional da Pastoral da Juventude.

— Cerca de 80% de nossos grupos de jovens atuam na liturgia de sua comunidade. Há um grande interesse da juventude em aprofundar sua espiritualidade e estudar mais a liturgia. Essa Escola pode desencadear várias ações, como a criação de núcleos de estudo e vivência da liturgia, encontros de formação e até uma próxima Escola de Liturgia — afirmou Rodrigo.

Por sua vez, Rodrigo Szymanski, de Criciúma, se disse empolgado com o curso e declarou sua paixão pela liturgia.

— Aprendemos que as celebrações litúrgicas são o ponto alto da espiritualidade das comunidades que vivem da Eucaristia e da Palavra. Ambas possuem e devem possuir igual valor em nossas celebrações — disse Szymanski, antes de fazer uma revelação.

—Para mim muitas coisas nas celebrações não faziam sentido e hoje posso me declarar um apaixonado por liturgia.

A atividade foi realizada pelas Pastorais da Juventude do Regional Sul 4, em conjunto com a Comissão Regional de Liturgia, com a assessoria da Rede Celebra de Animação Litúrgica e da Casa da Juventude Padre Burnier de Goiânia (CAJU).

Da redação da Agência Sul 4, com a colaboração de Daniel Rodrigo Strelow