A catequese do Papa Francisco, na Audiência Geral desta quarta-feira, foi dedicada à realidade da dependência de drogas. O tema foi escolhido por ocasião do Dia Internacional contra o Abuso e o Tráfico Ilícito de Drogas, celebrado neste 26 de junho. Segundo o Papa, “a redução da dependência de drogas não pode ser alcançada através da liberalização do seu consumo, isto é uma ilusão”. O Pontífice definiu os traficantes como “assassinos e traficantes de morte”.

“Quantos traficantes de morte existem – porque os traficantes de drogas são traficantes de morte – impulsionados pela lógica do poder e do dinheiro a todo custo! E essa praga, que produz violência e semeia sofrimento e morte, exige um ato de valentia por parte de toda a sociedade”.

Pôr fim à produção e ao tráfico

Segundo o Papa, “a redução da dependência de drogas não pode ser alcançada através da liberalização do seu consumo, isto é uma ilusão, como foi proposto por alguns, ou já implementado, em alguns países. Se for liberalizada o consumo será maior”.

“Tendo conhecido muitas histórias trágicas de usuários de drogas e suas famílias, estou convencido de que é moralmente necessário pôr fim à produção e ao tráfico destas substâncias perigosas”, afirmou.

A prevenção para combater o abuso e o narcotráfico

“A produção e o tráfico de drogas também têm um impacto destrutivo na nossa casa comum”, disse ainda o Papa, sublinhando que “isto tem se tornado cada vez mais evidente na bacia amazônica”.

Uma forma prioritária de combater o abuso e o narcotráfico apontada pelo Papa é a prevenção, que se faz promovendo maior justiça, educando os jovens para os valores que constroem a vida pessoal e comunitária, acompanhando quem está em dificuldade e dando esperança para o futuro.

O trabalho da Igreja

O Pontífice partilhou sobre seu contato com “diversas comunidades de recuperação inspiradas no Evangelho” em suas viagens.

“São um testemunho forte e esperançoso do compromisso dos sacerdotes, das pessoas consagradas e dos leigos em pôr em prática a parábola do Bom Samaritano. Do mesmo modo, sinto-me confortado pelos esforços empreendidos por diversas Conferências Episcopais para promover legislação e políticas justas relativas ao tratamento das pessoas dependentes do consumo de drogas e à prevenção para deter este flagelo”, disse Francisco.

O Papa citou como exemplo a rede da Pastoral latino-americana de Acompanhamento e Prevenção das Dependências (PLAPA). “O estatuto desta rede reconhece que ‘a dependência do álcool, das substâncias psicoativas e de outras formas de dependência (pornografia, novas tecnologias, etc.) é um problema que nos afeta indistintamente, para além da diversidade dos contextos geográficos, sociais, culturais, religiosos e etários. Apesar das diferenças, queremos organizar-nos como rede: partilhar experiências, o entusiasmo e as dificuldades’”.

Francisco mencionou também os Bispos da África Austral, que em novembro de 2023 convocaram um encontro sobre o tema “Capacitar os jovens como agentes de paz e de esperança”. Os representantes da juventude presentes na reunião reconheceram aquela assembleia como um “marco significativo para uma juventude saudável e ativa em toda a região”. Prometeram ainda ser embaixadores e defensores para lutar contra o uso de substâncias.

Não ficar indiferentes

“Queridos irmãos e irmãs, perante a trágica situação da dependência de drogas de milhões de pessoas em todo o mundo, perante o escândalo da produção e do tráfico ilícito de drogas, “não podemos ficar indiferentes. O Senhor Jesus parou, fez-se próximo, curou as feridas.”

Seguindo “o estilo da sua proximidade, também nós somos chamados a agir, a parar diante de situações de fragilidade e de dor, a saber escutar o grito da solidão e da angústia, a inclinar-nos para levantar e reconduzir a uma nova vida aqueles que caem na escravidão das drogas”.

O pontífice também convidou a rezar pelos criminosos que gastam e fornecem drogas aos jovens: “são criminosos, são assassinos. Rezemos por sua conversão”, disse o Papa.

Neste Dia Internacional contra o Abuso e o Tráfico Ilícito de Drogas, Francisco convidou a renovar “como cristãos e comunidades eclesiais o nosso compromisso de oração e de combate às drogas”.

 

Com informações e fotos de Vatican News