Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
De acordo com o padre Luiz Alves de Lima, assessor da CNBB para a catequese, o processo de iniciação à vida cristã é desafiador e comprometedor. (Juliana Rodrigues/Diocese de Caçador)

Entre os dias 06 e 08, cerca de 70 pessoas, entre padres e agentes pastorais, refletiram sobre o tema “Iniciação à vida cristã”, na Diocese de Caçador. O assessor, padre Luiz Alves de Lima, doutor em Teologia Pastoral Catequética, afirmou que o trabalho de iniciação deve ser compreendido como um compromisso de toda a comunidade cristã.

— Ele é muito mais exigente para o padre, para o pároco, do que a tradicional preparação para os sacramentos, pois a iniciação à vida cristã é um processo muito mais complexo —, salientou.

De acordo com ele, assumir a iniciação cristã exige não somente uma renovação da catequese mas também uma reestruturação de toda a vida pastoral”, o objetivo principal “é fazer com que as pessoas adentrem ao mistério e se sintam atraídos pela mensagem de Jesus Cristo”. Os sacramentos devem ser consequência da vida cristã, da vivência em Cristo, e não o ponto final do percurso.

Edição: Marcelo Luiz Zapelini