Nesta Solenidade da Festa da Imaculada Conceição, rezamos na Missa:

“Ó Deus, pela Imaculada Conceição da Virgem Maria,
preparastes para vosso Filho uma digna habitação
e a preservastes de toda mancha de pecado
em previsão da morte salvadora de Cristo;
concedei-nos chegar até vós purificados também
de toda culpa por sua materna intercessão”.

Na oração, destaco que fica claro que Maria é concebida sem o pecado original, NÃO POR SEUS MÉRITOS, mas por vontade explícita de Deus para prepará-la para ser a Mãe do Salvador.

Na Oração do Prefácio da mesma missa de hoje, a Igreja louva novamente a Deus com a seguinte oração: “A fim de preparar para o vosso Filho uma mãe que fosse digna dele, preservastes a Virgem Maria da mancha do pecado original, enriquecendo-a com a plenitude de vossa graça. Nela nos destes as primícias da Igreja, esposa de Cristo, sem ruga e sem mancha, resplandecente de beleza. Puríssima, na verdade, devia ser a Virgem que nos daria o Salvador, o Cordeiro sem mancha, que tira nossos pecados. Escolhida entre todas as mulheres, modelo de santidade e advogada nossa, ela intervém constantemente em favor de vosso povo”.

Mesmo que nossa crença na Imaculada Conceição da Virgem Maria seja proclamada como Dogma de Fé apenas em 08 de dezembro de 1854 pela bula Papal de Pio IX “Ineffabilis Deus” (Deus Inefável)”, diante de mais de 200 cardeais, bispos, embaixadores e milhares de fiéis católicos, não é uma devoção tardia no Cristianismo, como alguns podem pensar. Encontramos essa crença e devoção nos escritos do Cristianismo desde o século II, com referências claras na crença e fé de que Nossa Senhora, ou seja, Maria Santíssima, foi por graça especial de Deus, CONCEBIDA SEM A MANCHA DO PECADO ORIGINAL, para que pudesse ser a Mãe do Filho de Deus. Esta devoção e crença foram fundamentadas no fato de terem sido saudadas e proclamadas pelo Anjo Gabriel, com o “AVE! CHEIA DE GRAÇA”. Já encontramos isso registrado nos escritos teológicos de São Irineu de Lyon, que nasceu no ano 130 d.C. e morreu no ano 202. Ele foi discípulo de São Policarpo, que por sua vez conviveu diretamente com o Apóstolo São João, o Evangelista. Também temos referências nos escritos do bispo Santo Ambrósio, cuja memória celebramos ontem e que morreu no ano 397 depois de Cristo.

Rezemos ao Senhor para que, assim como purificou e preservou a Virgem Maria de toda mancha de pecado desde sua concepção em virtude dos méritos de Jesus Cristo, também nos purifique de todo pecado e culpa, para que possamos ser sacrários, templos vivos de Cristo, por obra do Divino Espírito Santo.

Nossa Senhora da Imaculada Conceição, roga por nós, pecadores e pecadoras, para que possamos vencer todas as tentações e ser dignos filhos e filhas de vosso Imaculado Coração.

Dom Guilherme Antonio Werlang, MSF | Bispo da Diocese de Lages (SC)