Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Com o tema: “Cristo Vive! Somos suas testemunhas” e no lema: “Eu vi o Senhor!” (Jo 20,18), a Igreja no Brasil celebra o mês de agosto como Mês Vocacional. Neste mês, todas as vocações são recordadas a cada Domingo: primeiro Domingo a vocação presbiteral, com o “Dia do Padre”; segundo Domingo a vocação ao matrimônio, com o “Dia dos Pais”; terceiro Domingo a vocação à vida religiosa, “Dia dos Religiosos e Religiosas”, e o quarto Domingo a vocação dos leigos e leigas, com o “Dia do Catequista”.

A arte do cartaz para o Mês Vocacional de 2022 foi inspirada no tema escolhido pela Comissão para os Ministérios Ordenados e Vida Consagrada da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB): “Cristo Vive! Somos suas testemunhas” e no lema: “Eu vi o Senhor!” (Jo 20,18).

O autor é o padre Reinaldo Leitão, natural do Maranhão, sacerdote e religioso rogacionista, atualmente diretor da Revista Rogate de Animação Vocacional. É formado em Design Gráfico pela Universidade Paulitas (Unip) e mestre em Tecnologia da Inteligência e Design Digital pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP).

“Cristo Vive! O cartaz foi inspirado nesta certeza de fé, impulsionando-nos sempre mais para o testemunho da vida  que vence a morte e dá-nos a salvação”, diz o autor.

Baixe o cartaz (AQUI).

Cartaz do Mês Vocacional 2022

 

 

Elementos da Arte

Padre Reinaldo explica o conceito do cartaz. Na arte, o Cristo ressuscitado busca evidenciar a boa notícia, o autor da vida, do chamado vocacional e da missão.

O Coração e mãos chagadas representam o amor, a doação e os desafios na promoção e no cuidado para com a vida, dom vocacional.

A Cruz, de acordo com ele, significa a vitória da vida sobre a morte, árvore da vida e esperança.  A mulher representa o primeiro anúncio e testemunho vocacional.

A Luz e Caminho representa a fé que ilumina todo o itinerário e a missão vocacional.

 

 

 

 

Confira o vídeo de Pe. Lino Brunel, Administrador Diocesano de Tubarão e Presidente da Comissão Pastoral para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada da CNBB Sul 4, sobre a explicação da arte.

 

Por CNBB Nacional | Adaptado por CNBB Sul 4