Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

A Diocese de Caçador acolheu neste domingo, 03 de outubro, seu novo pastor. Rodeado de familiares, amigos, bispos, padres, diáconos, religiosos e religiosas, lideranças paroquiais e pastorais, dom Cleocir Bonetti recebeu sua posse canônica. A solenidade foi realizada na catedral São Francisco de Assis, que leva o nome do padroeiro da diocese e que é celebrado em 04 de outubro.

Natural de São Valentim, Rio Grande do Sul, dom Cleocir exercia o ofício de vigário geral na Diocese de Erexim. Com o lema episcopal: “Patris Corde” ou “Com coração de Pai”, foi ordenado bispo no dia 12 de setembro, em celebração realizada na Catedral São José, de Erechim (RS).

Catedral São Francisco de Assis, Caçador (SC).

Dom Cleocir foi nomeado pelo Papa Francisco no dia 30 de junho e será o 6º bispo da Diocese de Caçador que estava vacante desde julho de 2020, quando dom Severino Clasen foi transferido para a Arquidiocese de Maringá (PR). Durante esse período, o padre Renato Luiz Caron foi eleito administrador diocesano pelo Colégio de Consultores e esteve à frente dos trabalhos pastorais e administrativos.

Estiveram presentes na cerimônia de posse os bispos das dioceses de Santa Catarina pertencentes ao Regional Sul 4 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Dom Wilson Tadeu Jönck, arcebispo metropolitano de Florianópolis presidiu os ritos iniciais  da celebração até a tomada de posse. “Quando o padre diz sim no dia da ordenação, ele diz sim para tudo o que vem pela frente. Ele não conhece tudo, mas diz sim para as coisas positivas e para as nem tão boas que podem acontecer. Esse conhecimento vai solidificando a união com o povo e com o clero. São tantas as descobertas positivas e também várias dificuldades, mas, esse sim vale para tudo. Dom Cleocir vai receber uma diocese ansiosa pela sua presença. As melhores coisas vêm daqui para frente quando vai entrando em contato com as famílias, com as comunidades. Vai conhecer uma diocese que tem uma caminhada de fé”, disse.

Dom Wilson Tadeu Jönck, arcebispo de Florianópolis entregando o báculo ao novo bispo.

Padre Renato que esteve à frente da administração da diocese até a posse do novo bispo, falou da satisfação em receber dom Cleocir, destacou a presença de dom Orlando Dotti, primeiro bispo da Diocese de Caçador e desejou muita sorte ao novo pastor.  “Tenho a alegria de ter aqui ao meu lado aquele que desde o princípio coube a administração diocesana, dom Orlando Dotti. A mim e ao Colégio de Consultores essa função coube até estes últimos dias. Então, agora queremos que toda ela se consagre ao senhor, dom Cleocir, e esteja sob seus cuidados”, afirmou.

Padre Renato Luiz Caron esteve à frente da Diocese de Caçador no período de vacância.

Dom Orlando Dotti recordou que há 52 anos assumia a diocese como primeiro bispo de Caçador. Depois de sua transferência esteve no município para dois importantes momentos.

“Tive a graça de participar do cinquentenário de criação desta diocese, vindo aqui por duas oportunidades e ficando com o clero e com o povo. Eu vi a caminhada feita. Percebi que realmente foram construídas muitas pontes, como o Papa Francisco gosta de falar. Pontes que ligam o passado com o presente, pontes que ligam pessoas e não barreiras, muito menos muralhas. Querido irmão Cleocir, gostaria que você continuasse e certamente vai continuar construindo pontes para unir todos os fiéis, para unir o clero, os religiosos, em função do reino. Este é o momento da graça, esta é a hora de Deus e nesta hora queremos nos comprometermos todos juntos a construir pontes para que a humanidade seja mais feliz”, ressaltou.

Dom Orlando Dotti, primeiro bispo de Caçador.

O presidente do Regional Sul 4 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e bispo da Diocese de Joinville, dom Francisco Carlos Bach, salientou a importância de todos os 10 bispos do estado para a caminhada do Regional.

“Somos um belo grupo. Trabalhamos juntos proporcionando diretrizes pastorais para toda a Igreja em Santa Catarina. E o que o senhor perceberá, é que tem nas mãos um grupo de amigos, mais do que bispos e arcebispo. Muito obrigado por ter dito sim ao Santo Padre o Papa e agora ser o bispo de Caçador e membro do Regional Sul 4 da CNBB”, disse.

Dom Francisco completou sua mensagem agradecendo ao padre Renato pelo trabalho como administrador diocesano. “A minha palavra também é de gratidão àquele que esteve conosco até agora na função difícil que é ser administrador diocesano. Padre Renato, nos ajudou muito nesse processo”, lembrou.

Dom Francisco Carlos Bach, presidente da CNBB Sul 4 acolhendo dom Cleocir no Regional.

Também participaram da solenidade, o arcebispo da Arquidiocese de Maringá, antecessor de dom Cleocir na Diocese de Caçador, dom Severino Clasen, dom Adimir Antônio Mazali, bispo da Diocese de Erexim e dom José Gislon, bispo diocesano de Caxias do Sul e presidente do Regional Sul 3 da CNBB.

“Quero respeitar essa história, vamos caminhar juntos!”

Após a posse, dom Cleocir conduziu a celebração. Saudando todo o Povo de Deus, iniciou sua fala dizendo que quer continuar o trabalho na Diocese de Caçador, respeitando toda a caminhada que iniciou com dom Orlando Dotti. “Quero respeitar essa história, quero respeitar o trabalho que foi e está sendo realizado”, enfatizou.

Direcionando suas palavras aos padres e bispos destacou sua alegria em partilharem desse momento e do desafio mais importante de sua caminhada na igreja até então, quando aos 49 anos se torna bispo de Caçador. “Me alegro com a presença e companhia dos colegas da Diocese de Erexim e de outras dioceses. Aos padres da Diocese de Caçador, espero que eu seja uma boa companhia, com o ‘coração de Pai’ no meio de vocês”, disse.

Dom Cleocir falou também da grandiosidade do gesto de colocarmos nossos dons à serviço do outro.

“Irmos ao encontro do outro para trocar dons, isso é comunhão. Comunidade é o lugar da troca de dons. Sinodalidade é colocar os dons à serviço, percorrendo juntos um caminho. Fomos feitos para o comunitário e não para o imunitário. Nossos espaços devem ser usados para a troca de dons, para a amizade, para a fraternidade. Somente quem aceita se aproximar das outras pessoas, não para retê-las, mas para ajudá-las é que se torna realmente um missionário de Jesus Cristo. Rezemos para que nesse mês missionário, na semana da vida, nossas relações sejam marcadas pela esperança, pelo respeito, pelo amor, pela fraternidade, pela justiça. Quanto à Diocese, vamos caminhar juntos, eu preciso de vocês. Contem comigo! ”, concluiu.

Benção e envio

Ao final da celebração dom Cleocir fez o envio das pastorais e movimentos com o acendimento das velas que são um sinal de luz, esperança e fortalecimento da missão evangelizadora.

Com informações da Diocese de Caçador. Imagens: Tv Evangelizar/Youtube.