Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

“Com coração de Pai, José amou Jesus”. As palavras são de dom Cleocir Bonetti, em menção ao lema escolhido para o seu ministério episcopal: Patris Corde.

Também com coração de Pai, a Diocese de Erexim acolheu a comunidade, familiares, amigos, presbíteros e diversos bispos do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná na celebração de ordenação episcopal de dom Cleocir Bonetti, no último domingo (12), na Catedral São José.

Foto: Victória Holzbach/CNBB Sul 3.

A celebração teve como ordenantes dom José Gislon, presidente do Regional Sul 3 e bispo diocesano de Caxias do Sul, além de dom Adimir Mazali, bispo de Erexim e dom Frei Severino Clasen, OFM, arcebispo de Maringá. Além deles, concelebraram a missa outros 21 bispos, dois administradores diocesanos, mais de 110 padres, na grande maioria das Dioceses de Erexim e Caçador, seis da Comissão Nacional do Clero, provenientes de seis Estados, da qual Dom Cleocir era integrante.

Palavras de dom José Gislon

Durante a homilia, dom José – que foi bispo de Erexim por sete anos – saudou os presentes e lembrou que “na vida e na missão o Senhor nos acompanha, nos interroga, nos corrige e nos aponta o caminho do discipulado com amor, compaixão e misericórdia de Pai. Como fez com José, diante das incertezas que tocaram seu coração, na hora de aceitar Maria como sua esposa. A iniciativa e a transcendência de Deus sobre a realidade humana, que marcaram os acontecimentos de José e Maria, podem nos ensinar como viver a vida, confiando na Palavra de Deus”.

Dirigindo-se ao novo bispo, o ordenante ressaltou:

“O bispo é pastor do rebanho de Deus que lhe foi confiado, mas deve ter um cuidado especial, um Coração de Pai para com os presbíteros e os diáconos, que são colaboradores do Bispo no cuidado do rebanho. Eles precisam ser cuidados com caridade fraterna e paterna, porque vivem a missão, inseridos nas realidades do mundo, e podem muitas vezes estar feridos pelas dores do rebanho e pelas fragilidades humanas. Apascentar o rebanho, povo de Deus, requer espírito de disponibilidade, de oração, de amor/compaixão, de ternura e vigor, para poder guiar na comunhão o povo que nos é confiado.”

Bispos ordenantes. Foto: Victória Holzbach/CNBB Sul 3.

Para concluir, dom José apontou ainda três aspectos da vocação ou missão do Bispo: santificar, ser mestre da fé e ser pastor. Por fim, finalizou:

“Caríssimo monsenhor Cleocir Bonetti, leva no teu coração a tua rica experiência de vida sacerdotal, vivida intensamente junto ao povo de Deus nesta Diocese de Erexim, no Alto Uruguai Gaúcho, na tua nova missão de Bispo e sucessor dos Apóstolos, junto ao querido povo de Deus da Diocese de Caçador, do Alto Vale do Rio do Peixe. Que Nossa Senhora do Rosário de Fátima e São José te acompanhem nessa peregrinação e São Francisco de Assis te acolha, na nova missão que o Senhor te confiou: ser Pastor com um coração de pai”.

O rito de ordenação

O rito de ordenação episcopal iniciou com a apresentação do eleito, onde ele expressa sua disposição para o ministério episcopal. Em seguida, aconteceu a leitura da Bula Pontifícia de nomeação episcopal e a ladainha de todos os santos, quando o ordenando ficou prostrado ao chão, em sinal de total dependência de Deus. Concluída a súplica de intercessão de todos os santos, os bispos presentes impuseram as mãos sobre o ordenando Cleocir Bonetti. Este ato significa comunicar o dom do Espírito Santo para a santificação interior e para o exercício da missão em comunhão com o Colégio Episcopal.

Rito de ordenação. Foto: Victória Holzbach/CNBB Sul 3.

Na sequência, dom José colocou o livro dos Evangelhos sobre a cabeça de dom Cleocir, proferiu a oração consecratória e ungiu a cabeça do novo bispo com o óleo do Crisma. Durante a entrega das insígnias do bispo, dom Cleocir recebeu das mãos dos pais, Gilso e Terezinha, o anel episcopal. Em seguida, recebeu também a Mitra, pelo decano do Colégio de Consultores de Caçador; e o báculo, pelo presidente da Comissão Nacional dos Presbíteros, da Arquidiocese de Natal (RN). Expressando acolhida ao novo bispo, cada arcebispo e bispo presente ofereceu ao recém ordenado o seu fraternal abraço.

Dom Cleocir: Com Coração de Pai

Já ordenado, dom Cleocir proferiu suas palavras aos presentes e aos que acompanhavam pelas redes sociais. Iniciou com as saudações e lembrou o contexto da pandemia: “Vivemos tempos difíceis! A pandemia trouxe à tona nossas falsas seguranças, quanto um fio de oxigênio nos pulmões é o que pode existir de mais importante” e apontou que este é o momento para “paternidade e maternidade responsáveis”.

Durante a mensagem citou os livros de Jeremias (31,9), Isaías (63,16 e 64,7), as Cartas de São Paulo e a Carta Apostólica Patris Corde, quando salientou a paternidade de José: “José é o homem que passa despercebido, o homem da presença cotidiana discreta e escondida”. Ressaltou ainda que o trabalho de José nos faz lembrar do trabalho de tantos que não são lembrados: os que limpam nossas ruas, os que servem o café, os operários, os que cuidam de nossas igrejas e até da natureza, que brota no silêncio.

“Nossas vidas são tecidas e sustentadas por pessoas simples, que não aparecem nas manchetes dos jornais e revistas, nem nos palcos, mas que escrevem os acontecimentos decisivos de nossas história”, comentou.

Primeira bênção do novo bispo. Foto: Victória Holzbach/CNBB Sul 3.

Dom Cleocir Bonetti concluiu sua mensagem rogando:

“Que Nossa Senhora de Fátima e São Francisco me ajudem a viver o episcopado como um grande serviço à Igreja e ao povo de Deus. E me ajudem a viver as quatro proximidades que o bispo deve ter: proximidade com Deuscom os sacerdotescom o povo e com os outros bispos. Proximidade filial, fraternal e paternal”.

Acolhida do episcopado catarinense

O bispo de Joinville e presidente do Regional Sul 4 da CNBB, dom Francisco Bach, ao final da celebração fez um agradecimento à Diocese de Erexim pela doação de mais um bispo à Igreja e acolheu dom Cleocir: “Como presidente do Regional Sul 4, tenho duas colocações. A primeira, é gratidão à Diocese de Erexim por nos dar um bispo para o nosso estado. A segunda é desejar as boas-vindas a Dom Cleocir. Nos ajude a evangelizar Santa Catarina para que possamos cumprir nossa missão. Conte sempre conosco. Deus seja louvado pelo seu sim”.

Acolhida de dom Francisco Carlos Bach. Foto: Victória Holzbach/CNBB Sul 3.
A celebração que marcará o início do ministério episcopal de dom Cleocir como bispo da Diocese de Caçador acontecerá no próximo dia 3 de outubro, às 10h, na catedral São Francisco de Assis.
Com fotos e informações de Victória Holzbach/CNBB Sul 3.