Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Para acompanhar de perto o processo de discernimento vocacional de todos os batizados, a Igreja em Santa Catarina conta com dois serviços no conjunto da ação evangelizadora que auxiliam os cristãos em seu planejamento de vida: o Serviço de Animação Vocacional (SAV) e a Pastoral Vocacional (PV). Mas porque duas ações pastorais para tratar do mesmo assunto? Fomos conversar com o coordenador estadual do SAV e da PV, padre Marlon Malacoski, que nos contou que há muito tempo já se faz uma reflexão para entender melhor a nomenclatura destes trabalhos. 

Padre Marlon Malacoski. Foto: Arquivo pessoal.

De acordo com padre Marlon, “o SAV acontece nos mais diversos campos pastorais. É preciso vocacionalizar toda a ação evangelizadora e é este Serviço que dialoga com os outros espaços eclesiais, como por exemplo a Pastoral Familiar ou da Juventude. Já a Pastoral Vocacional está ligada a um estrutura de acompanhamento mais específico em vista de se assumir um compromisso maior diante dos ministérios ordenados ou da vida religiosa consagrada”, respondeu. 

“Como os dois serviços estão completamente interligados e na maioria das vezes são conduzidos pelas mesmas equipes nas dioceses, nós utilizamos, enquanto CNBB, a sigla SAV/PV. A duas juntas tem a missão de promover uma cultura vocacional com o objetivo de vocacionalizar todos os ambientes eclesiais”, comentou o coordenador.

O SAV/PV diante da pandemia

Segundo padre Marlon, neste tempo de Pandemia, o SAV/PV foi aprimorando a utilização das novas mídias que já vinham sendo usadas na ação pastoral. Seja para espaços de encontros e acompanhamentos ou para divulgação de testemunhos vocacionais, nas dioceses catarinenses já se vinha sendo utilizado as novas ferramentas de comunicação a partir da ação ‘Cada Comunidade uma Nova Vocação’.

“Nós fomos surpreendidos com a pandemia e ainda estamos vivendo este processo. Algumas pistas foram surgindo ao pensar como o acompanhamento vocacional está acontecendo através destas novas formas de estarmos próximos, mesmo que seja de maneira virtual. Priorizamos nas dioceses um acompanhamento personalizado, através de videochamadas, vídeos nas redes sociais e mensagens de whatsapp”, disse padre Marlon.

“Tivemos também algumas experiências de formação dos agentes de pastoral do SAV/PV. Realizamos em maio um seminário onde conseguimos atingir um número maior de participantes do que quando tínhamos eventos presenciais. Com uma metodologia diferenciada, nos dividimos em três noites de formação. Ao mesmo tempo que estamos passando por um momento de dificuldades diante da pandemia, encontramos outros caminhos e meios para que não percamos o ardor vocacional” concluiu.