Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Mais de um ano se passou desde o início da pandemia do novo coronavírus. De lá para cá, a Covid-19 já ceifou a vida de mais de 370 mil brasileiros. Foi neste contexto que várias entidades, entre elas a CNBB, apresentaram no dia 7 de abril de 2020, em referência ao Dia Mundial da Saúde, o ‘Pacto pela Vida e pelo Brasil’, buscando uma ação propositiva para a “grave crise” enfrentada pelo país – sanitária, econômica, social e política.

O Pacto afirma que a realidade exige de todos, especialmente de governantes e representantes do povo, o exercício de uma cidadania guiada pelos princípios da solidariedade e da dignidade humana, assentada no diálogo maduro, corresponsável, na busca de soluções conjuntas para o bem comum, particularmente dos mais pobres e vulneráveis.

Encontro catarinense

Em Santa Catarina, na última terça-feira, 20 de abril, as Comissões Pastorais para o Laicato e para a Ação Sociotransformadora da CNBB Sul 4, realizaram uma noite de estudo sobre o Pacto. O encontro, que aconteceu de forma virtual, contou com a assessoria do professor Daniel Seidel, da Comissão Brasileira de Justiça e Paz, e da presidente do Conselho Nacional do Laicato (CNLB) Sonia Gomes.

Durante o evento, Daniel Seidel fez uma breve reflexão sobre a conjuntura nacional a partir das motivações que impulsionaram a criação do ‘Pacto pela Vida e pelo Brasil’, destacando a necessidade de uma ação efetiva de combate à pandemia da COVID-19 por um amplo processo de imunização de toda a população brasileira com a oferta de vacinas exclusivamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Também foi salientada aa necessidade de condições de vida digna aos trabalhadores que foram impactados economicamente pela pandemia, com a permanência de um auxílio emergencial até o fim da crise sanitária. O professor destacou ainda a necessidade de investigações dos atos governamentais frente a pandemia e os possíveis crimes de responsabilidade, improbidade e prevaricação que foram cometidos nesse período.

Já a presidente do CNLB, Sonia Gomes, evidenciou a importância do protagonismo dos cristãos leigos e leigas somado às iniciativas da 6ª Semana Social Brasileira,  como um grande fortalecimento aos processos do ‘Pacto pela Vida e pelo Brasil’. Reforçou também o papel do laicato na sociedade que se dá na defesa da vida plena para todas as pessoas, anunciando e denunciando práticas que geram morte e exclusão.

Compromissos

Como compromisso do encontro, foi sugerido que cada diocese busque articular as ações do Pacto com as ações já planejadas na 6ª Semana Social Brasileira.

Confira a íntegra do ‘Pacto pela Vida e pelo Brasil’ clicando aqui.