Responsáveis pelas comissões e departamentos de Liturgia nas conferências episcopais da América Latina e do Caribe participaram, no dia 20 de junho, de um encontro virtual para tratar do tema da liturgia no Ano da Oração, convocado pelo Papa Francisco. A reunião foi organizada pela Pastoral Litúrgica do Conselho Episcopal Latino-Americano e do Caribe (Celam) e foi oportunidade de compartilhar os passos que serão dados para viver junto com o povo de Deus este momento preparatório para o Jubileu 2025.

Também foram abordados outros temas durante a videoconferência, como os 60 anos da Constituição Sacrosanctum Concilium, os desafios na formação, inculturação e pastoral litúrgica, além de propostas de ação para a caminhada conjunta na promoção da vida liturgia do povo de Deus no continente.

Do Brasil, participaram dom Hernaldo Pinto Farias, bispo de Bonfim (BA) e presidente, da Comissão Episcopal para a Liturgia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), e assessores dos setores da comissão.

Liturgia no Ano da Oração

Para iluminar a reflexão sobre a liturgia no Ano de Oração, o grupo contou com a colaboração do padre Oswaldo Fernández de Castro, do Chile, doutor em liturgia pela Faculdade de Teologia da Catalunha de Barcelona, membro da Comissão de Liturgia do Celam e da Comissão Arquidiocesana de Liturgia no Chile.

Faça deste ano uma sinfonia de oração

O sacerdote recordou que o objetivo proposto para este momento de celebração foi intensificar a oração como diálogo pessoal com Deus, um convite que deve levar cada cristão a refletir sobre a sua fé e o seu compromisso pessoal, no mundo de hoje e nos vários âmbitos onde é chamado a viver.

Ele explicou que o Papa Francisco, desde o anúncio do Jubileu de 2025, já havia aludido ao tema do Ano de Oração, quando falava em dedicar-se a uma grande sinfonia de oração “para recuperar o desejo de estar na presença do Senhor, ouvi-lo e adorá-lo”. A isto, comenta que o apelo faz um apelo à promoção da centralidade da oração tanto a nível individual como comunitário.

Padre Oswaldo situou os participantes na proposta do Ano da Oração, apresentando os materiais oferecidos pela Santa Sé para a vivência desse tempo, e as motivações do Papa Francisco para a redescoberta da oração como “um diálogo íntimo com o criador, um diálogo que parte do coração humano para chegar ao coração de Deus e à sua misericórdia, capaz de transformar a nossa vida, expandir com simplicidade”, citando o Papa Francisco.

A oração, nesse sentido, antecipa o que se vive na liturgia, que “se torna uma ponte entre o céu e a terra, um lugar de encontro onde o coração do homem e o coração de Deus se encontram num diálogo de amor incessante”.

a partir do subsídio “Ensina-nos a rezar”, ele aprofundou elementos que devem estar presentes nas reflexões sobre o incentivo à oração pelas diversas dioceses da América Latina. Um dos destaques é a proposta de realizar “uma grande campanha de renovação eclesial através da renovação eucarística”, por meio da “arte de celebrar bem”, da disponibilidade das pessoas para celebrar, na preparação para a Eucaristia como “momento máximo de oração vivido comunitariamente” e no silêncio anterior à celebração eucarística.

O assessor também destacou a escuta atenta da Palavra de Deus em atitude de acolhimento e meditação, a meditação da Liturgia das Horas e a oração em família, além de outros momentos especiais para oração que podem ser motivados nas Igrejas particulares.

Com informações de ADN Celam