Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Em mensagem divulgada pela Diocese de Caçador hoje (27), o bispo dom frei Severino Clasen agradeceu aos missionários da 4a. Missão jovem da Pastoral da Juventude, realizada no feriadão de Corpus Christi (18 a 22). “Obrigado aos jovens que vieram, que foram e que marcaram presença. Emocionaram o pároco pe. Lauro Kaluzny Filho, da paróquia São Francisco de Assis (Catedral) e encantaram milhares de pessoas”, escreveu.

Para ele, o que os missionários fizeram foi “muito que o mundo e muitas famílias precisavam receber” nas “casas com pessoas sedentas de paz, de oração, de sorriso e de acolhida”.

Ele também destacou a integração entre os jovens de diferentes idades e as diversas expressões juvenis que colaboraram com a Pastoral da Juventude para a concretização da iniciativa.

“Vi jovens entusiastas da PJ, do EJA, Pastoral Juvenil Marista, da Renovação Carismática, do TLC e outros. É possível fazer uma missão juntos, sem barreiras, mas felizes anunciando Jesus Cristo e não as vaidades de grupos”, escreveu. “As barreiras estruturais” devem ser superadas, segundo com Severino porque a “velha estrutura afugenta os jovens”.

Acrescentou que “é hora de deixá-los extravasar e ir à missão. Assim experimentam outras realidades, lugares, pessoas, cidades, famílias, e descobrem que todos desejam ser felizes. E todos querem ser felizes e todos buscam a felicidade”.

Ainda na mensagem, ele pediu que o clero acredite nos jovens e deixe-os “evangelizar do seu jeito” e que ninguém fique preso a desejos pessoais intimidas ou a seus próprios movimentos. “Eis a Igreja clericalista e egoísta que tanto o Papa Francisco vem condenando. Precisamos anunciar Jesus Cristo e não a nós mesmos.”

A missão ampliou os horizontes, analisou dom Severino, abriu caminhos para o despertar da consciência, amadurecimento do censo crítico, alerta contra a violência e os advertiu sobre os perigos que machucam a vida e da natureza. “Os sentimentos de justiça afloram e uma nova ordem social, eclesial e humana nasce”, acrescentou.

Outra aspecto lembrado por ele, é a alegria e o afeto que ficaram evidentes na despedida. “Quando o jovem toma conhecimento que pode ser missionário, seguindo o caminho da simplicidade, ele se envolve por completo, sai de si mesmo e encontra o outro, longe ou perto de sua casa, entra no coração sedento de amor na casa alheia.”

4a. Missão jovem

O alcance em número de vistas e de missionários além da diversidade de comunidades atendidas converteu a 4a. Missão Jovem a maior da série e fez história, na avaliação do secretário da Pastoral da Juventude em Santa Catarina Uilian Dalpiaz.

“A missão fez história. Fez história não apenas por ser a quarta. Não apenas por passar de 500 jovens participando e envolvidos e não apenas pelas mais de 6 mil casas e estabelecimentos visitados. Fez história pela diversidade: assentamentos, centro da cidade, zona rural, zona urbana, periferia. Fez história pelo brilho no olhar de quem fez e de quem acolheu a missão”, escreveu em uma mensagem divulgada a seguir do evento.