Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

O bispo de Joinville (SC), presidente do regional Sul 4 da CNBB e da Comissão Especial para a Proteção da Criança e do Adolescente, dom Francisco Carlos Bach, apresentou nesta tarde, durante a 59ª Assembleia Geral da CNBB, realizada de forma virtual, o trabalho da Comissão Especial para a Proteção da Criança e do Adolescente da CNBB.

A atual composição da Comissão especial para a proteção da criança e do adolescente da CNBB foi nomeada no final de 2021 e tem como objetivo ajudar a Igreja do Brasil a efetivar o pedido do Papa e tem parceria com o Núcleo Lux Mundi.

Segundo dom Francisco, “o Núcleo Lux Mundi é o braço executivo da Comissão. Cabe ao Núcleo auxiliar as Igrejas particulares e Institutos de Vida Consagrada na aplicação de políticas para prevenção e encaminhamentos relacionados aos casos de abusos sexuais na Igreja. O Núcleo Lux Mundi é o braço executivo da Comissão”.

O bispo de Joinville (SC) e presidente da Comissão Especial para a Proteção da Criança e do Adolescente, dom Francisco Carlos Bach

Para cumprir o objetivo concreto do Núcleo Lux neste momento, que é ajudar na constituição dos Serviços de Proteção, seu regulamento e formação de seus membros, está sendo realizada uma pesquisa por meio de um formulário enviado a todas as dioceses do Brasil. O secretário-geral da CNBB, dom Joel Portella Amado, reforçou a importância de todas as dioceses participarem para ajudar no mapeamento dos grupos de trabalho com este objetivo que já estão instituídos pelo Brasil.

“A Comissão não foi nomeada para julgar e investigar os bispos, pois não podemos investigar a nós próprios. Estamos à disposição para ajudar a definir alguns regulamentos e ajudar a identificar possíveis caminhos para a atuação em determinadas situações”, reforça dom Francisco.

O contato com a Comissão Especial para a Proteção da Criança e do Adolescente da CNBB pode ser feito pelo telefone (61) 98303-4554, com Elaine Tag, secretária do Núcleo Lux Mundi.

Dom Francisco reforçou que ainda há um enorme trabalho a ser feito pela Comissão, que envolve formação do clero atual e futuro e dos leigos das comissões diocesana em prevenção, responsabilidades episcopais, consequência e procedimentos a serem tomados em diversas situações de abusos que porventura sejam relatados à Igreja.

Para auxiliar nesta demanda, a Comissão está trabalhando em um Manual de Procedimentos que irá contemplar a prevenção, a intervenção em caso de assinalações, a proteção do possível abusado e do denunciado e demais questões que possam envolver esses casos.

Afinal, segundo dom Francisco, é preciso auxiliar a Igreja a lidar com estas questões, o que não pode é se calar: “a  pior decisão é cruzar os braços. O grande pecado que podemos cometer é não investigar”.

Criação da Comissão Especial para a Proteção da Criança e do Adolescente

Em dezembro de 2021, a presidência da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) nomeou o bispo de Joinville (SC) e presidente do regional Sul 4 da CNBB, dom Francisco Carlos Bach, como presidente da Comissão Especial para a Proteção da Criança e do Adolescente.

Juntamente com dom Francisco, são membros da Comissão Especial, dom José Aparecido Gonçalves de Almeida (bispo auxiliar de Brasília), dom José Negri (bispo de Santo Amaro), dom José Ruy Gonçalves Lopes (bispo de Caruaru).

Também foram nomeados para assessorar a Comissão o padre Everton Fernandes Moraes; padre Tarcísio Pedro Vieira; Eliane de Carli; Hugo José Sarubbi Cysneiros Oliveira e Nelson Giovanelli Rosendo dos Santos.

A reunião dos membros da Comissão Especial de Proteção da Criança e do Adolescente aconteceu na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em Brasília (DF), em fevereiro de 2022.