No dia 02 de julho de 2023, dom Adilson Pedro Busin, CS, tomou posse como 7º bispo da Diocese de Tubarão (SC). O Papa Francisco o nomeou no dia 03 de maio, como bispo para a Diocese, na qual estava vacante desde março de 2022, quando dom João Francisco Salm tomou posse como bispo da Diocese de Novo Hamburgo (RS), até a data, a Diocese esteve sob os cuidados do administrador diocesano, padre Lino Brunel.

Para a Posse Canônica e início de sua Missão na Diocese Tubarão, dom Adilson chegou à Catedral acompanhado pelo arcebispo da Arquidiocese de Florianópolis, Dom Wilson Tadeu Jönck, SCJ; do arcebispo de Porto Alegre, Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e do Conselho Episcopal Latino Americano e Caribenho (CELAM), Dom Jaime Spengler, OFM.

Foto: Eduardo Schmitz | Diocese de Joinville

Representando toda a Igreja da Diocese de Tubarão, Dom Adilson foi acolhido e saudado nas escadarias da igreja por uma representação de leigos, religiosas, pelo Administrador Diocesano e Colégio de Consultores, a quem coube a responsabilidade de governar a Diocese em seu período de vacância.

 

No átrio da igreja, o Cura da Catedral, Pe. Eduardo Fernandes da Rocha, apresentou a Dom Adilson o crucifixo a ser beijado, e o aspersório com a água benta, com o qual o bispo aspergiu a si mesmo e aos que lhe estavam próximos. Em seguida, dirigiu-se ao Sacrário, onde ficou em adoração ao Santíssimo Sacramento.

Dom Wilson solicitou ao decano do Colégio de Consultores e Pároco em Grão-Pará, Pe. Elias Della Giustina, para apresentar a Bula Papal ao Colégio de Consultores e ao povo, e que fizesse à sua leitura. Após a leitura, o arcebispo entregou a Dom Adilson o Báculo, que é sinal do serviço atento e fiel do pastor, segundo o modelo do Bom Pastor Jesus Cristo, e em seguida o conduziu até à Cátedra Episcopal, símbolo do serviço do mestre que ensina. Sentando-se na Cátedra Episcopal, Dom Adilson assumiu o seu ministério como Bispo Diocesano de Tubarão.

Na cátedra, Dom Adilson recebeu a saudação dos membros do Colégio de Consultores, e de representantes dos Diáconos, das Religiosas, dos Leigos e Leigas da Diocese e das autoridades, que lhe manifestam obediência e respeito.

Foto: Jaison Alves da Silva | Sul 4

Continuando a saudação ao 7º Bispo diocesano de Tubarão, fez uso da palavra, pela Arquidiocese de Porto Alegre, de onde Dom Adilson vem, Dom Jaime Spengler, OFM, que sintetizou sua fala em três palavras: “Gratidão pela convivência e parceria pelos sete anos como bispo auxiliar em Porto Alegre. Reconhecimento pelo trabalho realizado na região de Guaíba, uma realidade desafiadora, mas, também, o trabalho que desenvolveu junto as Pastorais Sociais especialmente a Pastoral Carcerária e dos Moradores de Rua. E a terceira palavra em nome da CNBB que possa desenvolver sua atividade de Pastor, de pai, irmão, de bispo segundo aquilo que a Igreja pede. Deus te abençoe e ilumine”.

 

Foto: Jaison Alves da Silva |  Sul 4

O bispo da Diocese de Chapecó e Presidente da CNBB Sul 4, Dom Odelir Magri, MCCJ, acolhe dom Adilson desejando “as boas-vindas em nome dos bispos do Regional, vamos trabalhar e caminhar juntos, certamente você vem para somar com sua experiência e por isso nós agradecemos”. Finalizou a fala citando parte do hino do Ano Vocacional: “Emaús é aqui, onde arde o coração. Emaús é aqui, onde os pés se moverão! Emaús é aqui, como graça e oração!”.

 

Foto: Jaison Alves da Silva | Sul 4

Pela Diocese de Tubarão, Pe. Lino Brunel, “A sua nomeação soou para nós como uma alegre notícia. Na diocese, desde então, intensificamos nossas orações em favor do seu 7º bispo diocesano. Pedimos a Deus que o inspirasse a ser um Pastor seguindo o Bom Pastor, Jesus Cristo, e que aqui estivesse como um solícito semeador da paz e da esperança, como um verdadeiro Pastor segundo o vosso coração. Desde já desejamos gratidão e boas-vindas!”.

 

Como primeiro gesto de sua nova missão episcopal, dom Adilson, andou pelos corredores da Catedral e abençoou o povo presente. Após esta cerimônia deu-se continuidade na Celebração da Santa Missa, a partir do Hino de Louvor”, presidida por ele.

Foto: Victória Holzbach | Regional Sul 3

Durante homilia dom Adilson agradece ao Papa Francisco e ao núncio Apostólico, Giambattista Diquattro, pela confiança no seu ministério ao povo da diocese de Tubarão. Para ele, a “missão do bispo nasce da abundante graça do batismo” e acrescenta que tomar posse na Festa de São Pedro e São Paulo, “pilares de nossa Igreja. Pastores fiéis e servos do anúncio do evangelho, perto e longe. Em Jerusalém e em Roma. Nas periferias e nas grandes cidades, nos povoados e nas ilhas. Intrépidos testemunhas. Eles que, de uma forma e outra, escutaram Jesus, tornaram-se, por Ele, estrangeiros e migrantes em terras distantes. Pelo evangelho e pela missão. ‘Nos dias de minha migração terrestre’, como diz Pedro em sua carta, também eu, e nós todos, somos chamados a uma vocação santa. Capaz de abrasar o coração e tudo abraçar por Ele. O Senhor disse a mim também: “vai para outras terras”. Deixando as margens do Guaíba, vim para outras Lagunas e outras praias. Agora, bispo de Tubarão, como não encontrar em Pedro e Paulo virtudes, gestos, atitudes, exemplos que configurem um bom pastor. Neles se encontra a clareza do múnus episcopal: ensinar, santificar e governar.  Recebendo o báculo, de pastor, sei que recebo na outra mão a cruz. Missão sem cruz, não existe. Dela brota a vida. Aprender com Pedro e Paulo a ‘perder a vida’, partir para outras terras em missão. Amar até o fim., como o Mestre. Morrer pelo evangelho é do múnus episcopal e apostólico ‘o bom Pastor dá a vida’, diz Jesus.”

Ao final da Celebração, para efeitos jurídicos, tanto para a sociedade civil como para a Igreja, a cerimônia se configurou como ato oficial. Para tanto, foi preciso a assinatura da Ata de Posse Canônica. A leitura foi feita pelo Chanceler da Cúria de Tubarão, Pe. Nilo Buss, e, em seguida, assinada pelos Bispos e pelo Colégio de Consultores.

Por CNBB Sul 4 | Foto capa: Victoria Holzbach / Regional Sul 3