Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
“Parabéns catarinas”, elogia Celso Carias, do RJ. “Como os mineiros, vocês comem quietos”, comparou. “Aqui podemos perceber a força, a energia e articulação que podem revigorar as CEBs”, analisou em sua intervenção final. (Marcelo Zapelini/Agência Sul 4)

Em “carta compromisso” divulgada no final do 12º Encontro Estadual, 22, em Chapecó, as Comunidades Eclesiais de Base e Grupos de Família e de Reflexão de Santa Catarina comprometeram-se em “contribuir com o ‘Projeto de Jesus’ sinalizando que o Reino já está entre nós”.

Usando jardim como metáfora para os locais onde as CEBs estão inseridas, o texto diz que elas assumem “semear flores” de resistência na roça, de solidariedade nos centros urbanos, de convivência nos condomínios, de acolhida aos imigrantes, de esperança no litoral e de cidadania na periferia das cidades.

Enquanto comprometem-se em incentivar a produção agroecológica e o consumo sustentável a partir do campo, visam a humanização da vida e das relações na cidade. Nos condomínios, as CEBs esperam chegar através de pequenas comunidades, ao mesmo tempo em que defenderão as comunidades tradicionais e condições de vida digna aos que passam ou moram na zona litorânea.

Busca por oportunidades de trabalho e do fim do preconceito estão entre os objetivos relativos aos imigrantes. As CEBs também querem que os moradores de bairros periféricos reinventem e se reencantem pela luta por direitos.

“Semear flores” é necessário, de acordo com a carta, porque “somos jardineiros do Reino e ousamos semear flores nos quatro cantos do mundo, na Pátria Grande, no Brasil e em Santa Catarina”. Porém, este trabalho é prejudicado pelos poderosos “que pisam em nossos jardins e esmagam nossas flores e matam nossas sementes”.

O texto lembra que o papa Francisco, em seu discurso aos movimentos sociais no Vaticano, pediu uma “mudança positiva, uma mudança que nos faça bem, uma mudança redentora”. As CEBs ainda convidam “todos a fazerem parte deste grande mutirão para semear, cuidar, regar, e colher a vida, neste imenso jardim de comunidades”.

Cerca de 500 delegados das dez dioceses catarinenses participaram desta edição do encontro. O tema “CEBs e os desafios do mundo urbano” orientaram as discussões em 11 grupos temáticos distribuídos por Chapecó e Nova Itaberaba entre 20 e 22 de maio. No domingo, 22, os delegados apresentaram a síntese das discussões relativas aos desafios das CEBs no campo, no litoral, nos condomínios, nas periferias, nos centros urbanos e em relação aos imigrantes. Deste conteúdo, resultou a carta aprovada pelos delegados.