Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Diariamente, como de costume, o bispo diocesano de Lages (SC), dom Guilherme Antonio Werlang, divulga em suas redes sociais um artigo com reflexões sobre a Palavra de Deus elencando assuntos das realidades eclesial e social. Nesta segunda-feira, 25 de abril, o bispo fez uma breve reflexão sobre a temática da primeira etapa da 59ª Assembleia Geral da CNBB, que acontece até a próxima sexta-feira (29), virtualmente. No texto, o bispo aponta os trabalhos do episcopado brasileiro no dia de hoje e das atividades que virão nos próximos dias. Leia na íntegra:

Boa tarde minha amiga e meu amigo

59ª ASSEMBLEIA GERAL DA CNBB

Desculpem por hoje demorar um pouco mais para minha reflexão diária. Acontece que desde às 08h, NÓS BISPOS DO BRASIL, estamos reunidos VIRTUALMENTE para a primeira parte de nossa Assembleia Geral da CNBB, de número 59. Devido a pandemia, e como a Assembleia tem que ser preparada com muita antecedência, tivemos que realizar essa Assembleia, que também faz referência aos 70 anos da criação da CNBB e dos 15 anos da Conferência de Aparecida, de forma mista, isto é, a primeira parte está de modo virtual e no final de agosto e início de setembro faremos a segunda parte, de forma presencial física em Aparecida, como de costume.

Temos como Tema Central nesta Assembleia Geral: “IGREJA SINODAL – COMUNHÃO, PARTICIPAÇÃO E MISSÃO”.

Além desse tema central temos uma enorme variedade de outros temas muito importantes e nem sei como poderemos vencer toda pauta apresentada. Estamos já com bem mais de 300 bispos presentes, além de assessores presbíteros, religiosas, religiosos e muitos leigos e leigas. Graças a Deus, esta primeira manhã está muito boa. Já tivemos a fala de nosso presidente apresentando tudo o que foi realizado neste mandato, mas também abordou em várias outras ocasiões outros temas; também foi feita uma ampla ‘Análise de Conjuntura’, nossa COMUNICAÇÃO como Igreja, especialmente pelas nossas MÍDIAS CATÓLICAS, mas também pelos muitos grupos “católicos” radicais, agressivos ou até fanáticos e muitos deles financiados por “capital interesseiro” que combate a Igreja da profecia e outros pedidos de acréscimos de pauta de muitos outros assuntos urgentes que não vou abordar aqui porque ainda estarão como estudo. Em todos esses assuntos e trabalhos sempre há ampla participação dos bispos ou em certa ocasiões de assessores muito competentes convidados para abordar certos assuntos e nos iluminar sob um olhar acadêmico ou científico.

Vejam que hoje não fiz reflexão, mas uma COMUNICAÇÃO do que NÓS BISPOS DO BRASIL estamos realizando, para pedir humildemente que, se assim for de sua vontade, REZAREM POR NÓS, para que acima de tudo nos deixemos iluminar e guiar pelo ESPÍRITO SANTO e jamais por outros interesses.

Todos nós que trabalhamos com nossa Igreja, NÃO POR NOSSOS MÉRITOS, mas por chamado da Igreja, somos PASTORES à frente de nossas Dioceses, precisamos muito da oração de todos vocês.

+ Guilherme Antonio Werlang