Justiça restaurativa: futuros facilitadores aprendem métodos de perdão e reconciliação

Os 26 agentes da Pastoral Carcerária já estão juntos desde a primeira etapa, em 2013 (Foto: Pastoral Carcerária/Divulgação)
Os 26 agentes da Pastoral Carcerária já estão juntos desde a primeira etapa, em 2013 (Foto: Pastoral Carcerária/Divulgação)
Segunda etapa da capacitação oferecida pela Pastoral Carcerária apresentou 11 módulos do programa ESPERE

Para incentivar a justiça restaurativa em Santa Catarina, a Pastoral Carcerária (PCr) ofereceu a segunda etapa de capacitação da primeira turma de candidatos a facilitadores da Escola Perdão e Reconciliação (ESPERE), na cidade de Mafra, 06 a 09 de maio.

A irmã Imelda Maria Jacoby, coordenadora da PCr no Rio Grande do Sul, apresentou os módulos do programa ESPERE. Os 26 agentes da pastoral, das dioceses Joinville, Chapecó, Florianópolis e Lages, também recapitularam os fundamentos da justiça restaurativa apresentadas na primeira etapa, realizada em outubro de 2013.

ESPERE é um processo pedagógico em que participantes reinterpretam um acontecimento doloroso de seu passado, recente ou antigo, para superar a dor e os sentimentos de rancor e vingança.

Os facilitadores guiam o grupo de até 20 pessoas em dois momentos. O primeiro é dedicado ao processo de perdão (seis módulos) e o segundo, ao de reconciliação (quatro módulos).

Enquanto ainda não podem atuar como facilitadores, os agentes “assumiram a missão de divulgarem em suas comunidades, nos presídios, trabalho, escola e a praticar os ensinamentos aprendidos no curso de fundamentos da Justiça Restaurativa”, explicou a agente de comunicação da PCr, Aline Ribeiro de Mello.

Depois de concluírem a capacitação de 80h/aula, eles passarão por uma avaliação de perfil antes de receberem habilitação de facilitadores do programa. A terceira etapa ainda não tem data prevista.

Esta é uma das estratégias adotadas pela Pastoral Carcerária em apoio à Justiça Restaurativa, que consiste na mediação do conflito entre vítima e ofensor. No mesmo ambiente, com segurança jurídica e física, com auxílio de um mediador, ambos buscam uma solução aceitável para a reparação dos danos causados.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, em 2014, pediu, através de uma nota, que as autoridades levassem “a sério a justiça restaurativa, proposta pela ONU, e a Escola de Perdão e Reconciliação (ESPERE), defendida pela Pastoral Carcerária, como alternativas à política de encarceramento em vigor no país”. Na ocasião, a entidade avaliou que o sistema carcerário está falido e apontou a urgência de uma reforma.

Nova turma

A Pastoral Carcerária divulgou o início de uma nova capacitação do programa ESPERE. A primeira etapa está prevista para os dias 21 a 25 de outubro de 2015 em local a ser definido.

CALENDÁRIO

SuMoTuWeThFrSa

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

 
 « ‹nov 2020› » 

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!

Share This