Conferência livre em Florianópolis indica propostas para acolhida de imigrantes e refugiados

Evento foi realizado pela Cáritas Brasileira Santa Catarina como uma etapa preparatório para 1ª Conferência Nacional sobre Migrações e Refúgio em maio
Conferência Livre é a etapa preparatória para conferência em nível nacional em maio (Foto: Marcelo Luiz Zapelini/CNBB Sul 4)
Conferência Livre é a etapa preparatória para conferência em nível nacional em maio (Foto: Marcelo Luiz Zapelini/CNBB Sul 4)

A filial catarinense da Cáritas Brasileira realizou a 1a. Conferência livre sobre Migrações e Refúgio, na sede da CNBB em Santa Catarina (Regional Sul 4), em Florianópolis, no dia 22 de março. Participaram estudantes universitários, agentes de pastorais, profissionais de assistência social e ativistas, além de refugiados sírios. O objetivo do evento foi indicar dois delegados e propostas para a conferência nacional.

Três prioridades foram eleitas pelo grupo, de dezesseis propostas: Reformulação paradigmática do estatuto do estrangeiro, formulação de cartilha para estrangeiros migrantes, apontando a porta de entrada para os serviços públicos e direitos seus direitos, além da criação de visto para refugiados.

Outras ideias envolvem, inclusão do tema “xenofobia” na educação, capacitação linguística em outros idiomas para os funcionários públicos que trabalham nas “portas de entrada” de migrantes, como os funcionários da Polícia Federal.

Medo e discriminação de estrangeiros

Relatos a que a Cáritas em Santa Catarina teve acesso, mostram que os imigrantes e refugiados sofrem com a discriminação e não tem direitos básicos atendidos. Em um dos casos, um pai e filho haitianos precisaram esperar mais de cinco horas em um posto de saúde em Itapema, há 50 km de Florianópolis, para fossem atendidos pelos funcionários da unidade. O que só ocorreu depois que um policial militar, que fora chamado para prender o pai que se revoltara com a situação, exigiu que um dos médicos realizasse a consulta.

Padre Joaquim acredita que a xenofobia está em um novo ciclo e precisa ser combatida. O medo que os estrangeiros disputem espaço com os brasileiros no postos de trabalhos e disputem espaço nas limitadas políticas públicas, são algumas das razões apontadas pela resistência em acolher recém-chegados.

Eduardo Rafael Petry Veronese, advogado e voluntário da Cáritas para questões de refúgio e o sírio Yahya, foram indicados como delegados desta etapa para a etapa nacional.

A 1ª Conferência Nacional sobre Migrações e Refúgio (Comigrar) será realizada entre os dias 30 de maio e 1º de junho de 2014, na cidade de São Paulo, e é coordenada pelo Ministério da Justiça, por meio da Secretaria Nacional de Justiça/Departamento de Estrangeiros-DEEST, em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego e o Ministério das Relações Exteriores, com o apoio da Organização Internacional para as Migrações-OIM e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento-PNUD.

Adicionar Comentário

Clique aqui para postar seu comentário

CALENDÁRIO

SuMoTuWeThFrSa
 

1

2

3

4

5

6

7

8

9

10

11

12

13

14

15

16

17

18

19

20

21

22

23

24

25

26

27

28

29

30

31

 
 « ‹dez 2020› » 

Assine a nossa newsletter

Junte-se à nossa lista de correspondência para receber as últimas notícias e atualizações de nossa equipe.

You have Successfully Subscribed!

Share This